Fone/Fax: + 55 11 3081.5909 / 3081.1709
+

O uso de máscaras cirúrgicas e máscaras descartáveis (PFF2) para impedir a propagação do Coronavírus

Publicado em: 18/03/2020 | Por: ABHO

Artigo da ABNT/CB-032 esclarece quanto ao uso de respiradores e máscaras cirúrgicas para prevenir contaminação por coronavírus; recomenda máscaras PFF2 apenas para profissionais treinados.

Antonio Vladimir Vieira, Coordenador do Comissão de Estudos ABNT/CB-032/CE 032 001 Proteção Respiratória / Higienista Ocupacional Certificado – HOC 0015

A resposta natural do ser humano a uma doença nova e desconhecida é sentir ansiedade e buscar proteção. Por isso muitas pessoas estão comprando e até armazenando máscaras descartáveis PFF2. Mas, mesmo se você possuir essas máscaras em meio à escassez global, essa é a opção mais adequada? A resposta é não!

E se você sabe de pessoas infectadas pelo COVID-19 próximas a você, é obrigatório o uso das máscaras descartáveis PFF2? A resposta continua sendo não!!

Portanto, o público em geral não necessita utilizar uma máscara descartável PFF2 (conhecida fora do Brasil como máscara N95) para se proteger do coronavírus (COVID-19).

O contágio pode ocorrer por contato com secreções contaminadas pelo vírus ou inalação de gotículas geradas durante tosse, espirro e conversação.

Recomendações para uso da máscara cirúrgica
Para proteção contra o coronavírus uma máscara cirúrgica poderá ser indicada, porque se trata de uma barreira que cobre o nariz e a boca. Ela pode proteger as vias respiratórias do usuário contra inalação de gotículas projetadas a curta distância, e evitar a projeção de gotículas geradas por uma pessoa contaminada para o ambiente. Portanto, se uma pessoa está contaminada com o coronavírus é recomendado que utilize uma máscara cirúrgica, com o objetivo de proteger as pessoas ao seu redor. Outra situação é se a pessoa está gripada, ou acha que está com o coronavírus; nesses casos deve utilizar uma máscara cirúrgica para proteger os outros. Dessa forma, em sua casa, se você apresentar sintomas da doença, ou se estiver cuidando de alguém doente, recomenda-se o uso de uma máscara cirúrgica para sua proteção ou para proteger os membros de sua família.

Devemos lembrar que a máscara cirúrgica não é considerada um Equipamento de Proteção Individual (EPI).

Recomendações para uso de máscaras PFF2
A situação dos profissionais de saúde é bastante diferente. Há procedimentos que requerem a utilização de uma máscara descartável tipo PFF2 (equivalente a N95), que é um filtro, também conhecido como “respirador”. Para que esta máscara realmente venha proporcionar a proteção desejada, seu uso deverá seguir o Programa de Proteção Respiratória da Fundacentro
(http://www.fundacentro.gov.br/biblioteca/biblioteca- digital/publicacao/detalhe/2016/6/programa-de-protecao-respiratoria), e a Cartilha de Proteção Respiratória Contra Agentes Biológicos para da Área da Saúde (http://portal.anvisa.gov.br/resultado-de-
busca?x=2&y=4&_3_keywords=cartilha+de+prote%C3%A7%C3%A3o+respirat%C3%B3ria&_3_formDate=1441824476958&p_p_id=3&p_p_lifecycle=0&p_p_state=normal&p_p_mode=view&_3_groupId=0&_3_struts_action=%2Fsearch%2Fsearch&_3_cur=1&_3_format=

Devemos lembrar que o uso da máscara descartável (PFF2) requer cuidados conforme recomendações da cartilha da Anvisa, caso contrário a própria máscara pode ser um agente de contaminação, devido ao manuseio e uso inadequado. Utilizar uma máscara descartável (PFF2) pode criar uma falsa sensação de segurança. Pessoas que não têm o treinamento adequado para utilizá-las podem, ao contrário, elevarem seu risco de contaminação devido a essa falsa segurança que o equipamento lhes traz. Por exemplo, se a pessoa não lavar as mãos com água e sabão, ao colocar a máscara e ao removê-la, poderá contaminar-se com as partículas que o próprio equipamento reteve na filtragem. O uso indiscriminado das máscaras PFF2 em meio à escassez existente torna seu
suprimento mais difícil para hospitais e profissionais de saúde que realmente precisam delas.

Devemos garantir aos profissionais da saúde a sua proteção pois serão eles que irão cuidar de nós, caso precisemos.

Qual a melhor maneira de se prevenir do COVID-19? 

O recomendado é lavar as mãos regularmente, cobrir a boca e o nariz com um cotovelo flexionado ou tecido descartável ao espirrar ou tossir e evitar o contato com o nariz, olhos e boca sem estar com as mãos lavadas. O coronavírus é um vírus ‘envelopado’, o que significa que possui uma camada externa da membrana lipídica, ou seja, de gordura. Lavar as mãos com água e sabão tem a
capacidade de ‘dissolver’ essa camada gordurosa e matar o vírus Lave as mãos antes e depois de comer e evite tocar seu rosto, “especialmente a boca, nariz e os olhos”. Leve também um desinfetante (por exemplo o álcool) para as mãos, caso você não consiga água e sabão após tocar uma superfície contaminada (como maçaneta, corrimão, etc). Você também pode se proteger da contaminação pelo coronavírus com outras precauções: evite aglomerações, mantenha os ambientes bem ventilados, evite contato próximo com pessoas doentes, se observar alguém tossindo, espirrando ou parecendo doente, fique a uma distância segura para evitar ser atingido pelas gotículas das secreções.

Elaborado pela ABNT/CB-032/CE 032 001 Proteção Respiratória (Comissão de Estudos de Proteção Respiratória do Comitê Bras. de Equipamentos de Proteção Individual da Ass. Bras. de Normas Técnicas); coordenador Antonio Vladimir Vieira Químico, Mestre em Engenharia de Minas e Higienista Ocupacional; Coordenador da Comissão de Estudos ABNT/CB-032/CE 032 001 Proteção Respiratória; representante do Brasil na comissão técnica da ISO sobre Equipamentos de Proteção Respiratória.